Carregando...
Marco Antonio Azkoul
Área do Autor

Livro


Artigo do Autor

A VIRTUDE E O DOM DA CASTIDADE

A VIRTUDE E O DOM DA CASTIDADE


A missão da mulher é e sempre será o enobrecimento do ambiente com a sua delicada feminilidade, arguta intuição, elevando, purificando, enobrecendo o ambiente às alturas luminosas. Ela, casada ou solteira, é a ancoragem para a ascensão do homem. Só a mulher tem o dom da sacrossanta maternidade, mas essa não é a sua primordial ou mais elevada missão. A graciosidade é a dádiva espiritual a ela concebida em cada gesto, palavras, movimento, revelando a sua essência e perfume espiritual. 

              Só a mulher traz a noção da pureza e do altíssimo por intermédio de sua graça, que é a sua beleza em suas formas corporais. E ela torna tudo belo com a manifestação do seu espírito límpido, emanada de sua fonte primordial de força e grandeza. Nem tudo que é moda é elegante e a vaidade destrói, avilta a mulher e tudo em sua volta, afastando-a do sublime que há em si, segundo as próprias Leis Divinas ou da Natureza.

               O verdadeiro casamento não é um ato comercial. Ele só se concretiza não pelo uso unilateral mesquinho do intelecto, mas pela intuição (paralógica), onde a mulher intuitiva vê a fundo a união de duas almas na matéria fina, que se tornarão uma só vida harmônica.  E assim, a felicidade, durabilidade, estará garantida e caso houver filhos esses não serão um transtorno aos seus pais. Aqui reside à lei da reciprocidade a qual trará bênçãos na matéria grosseira, matéria fina e espiritual. Eis o significado bíblico verdadeiro: “O que Deus uniu o homem não deve separar”. O Dom da Castidade está ligado a Virtude da Temperança e no conjunto de todas as demais Virtudes, onde a força sexual ordeira significa a ascensão material, intelectual, espiritual, nascimento, ressurreição da vida (consciente e subconsciente). Nessa direção age a lei da força de atração dos homólogos pelo livre-arbítrio inato nos seres humanos castos ou puros, sendo certo que a força sexual pode levar a ascensão como também destruir desde um indivíduo até uma nação, quando mal empregada; a gestação vem depois, em segundo lugar. 

 

               O Pudor nada mais é do que a proteção da força sexual dos baixos instintos animalescos, impuros e conspurcados daqueles que ainda tem a Virtude da Prudência intuitiva e não foram corrompidos, bem como não se tornaram servos dos vícios da pornografia, erotismo, transtorno obsessivo compulsivo, que embriaga os sentidos límbicos e leva a anomalia das paixões, frustrações, despersonalização,  violências monstruosas a si e a outrem. O Pudor impede a queda do ser humano. Quanto maior o Pudor, mais nobre será os seus instintos e plenitudes na vida. Aos que foram arrastados nessa concupiscência da luxuria obsessiva e compulsiva   será necessário muito trabalho de mortificação, desapego ou renuncia com orações cientificas para limpar o córtex cerebral central e  haver assim a  temperança, limites e virtudes impulsionadas pela vontade e o raciocínio, colocando-se em pratica a Virtude da Fortaleza com a da Temperança cultuada nas formas dos pensamentos, a fim de não se deixar mais ser arrastados pelos bestiais instintos límbicos conspurcados.

                Ao ser humano basta-lhe ser natural. Nesse contexto não se deixe levar por modismos, internet eróticas, pornografias, más companhias, ambientes nocivos. A força sexual não se destina aos prazeres hedonistas, egoístas e dos instintos carnais baixos, mas deve ser impulsionada para cima  ou o altíssimo, a fim de inflamar a alma para o amor criador, zeloso e protetor com a entrega e doação incondicional do bem, bondade e tutela do outro.  Nesse sentido o amor toma a forma de proteção e prestimosidade a outrem. É o querer em proteger com as palmas das mãos, acolher ao peito com carinho em dar afeto, proteção, segurança, prestimosidade e dedicação total ao outro.   E ao inflamar a alma com os focos dos pensamentos direcionados ao sublime e o altíssimo, o positivo e o negativo, masculino e feminino que regem o universo, faz com que a pessoa se desapegue da matéria e de tudo que lhe é degradante, desabrochando a sua essência nobre do seu ser à plenitude tão sonhada. E quem se doa quer se doar mais ao bem de outrem e consequentemente faz o bem que se deseja a outrem a si.

                O homem deveria olhar para a mulher e sentir anseio à Luz, sendo certo que a mulher é a ponte do universo, parte mais fina da Criação Divina e mais próxima da Natureza, conduzindo para a ascensão ou derrocada total. Portanto, a mulher vai impulsionar os anseios do homem.  É dizer, masculino e feminino não têm nada a ver com o modo do sexo. A fidelidade autentica só pode existir no verdadeiro amor, nunca na paixão, luxurias e fantasias. Por isso que o lar deve-se tornar um santuário pela mulher, um Templo da Vontade Divina.

                A força sexual não pode ser contida e ela se manifesta em todas as idades. O homem não pode quebrar essa ordem de maneira egoística e ser um estorvo ou um soçobrar a outrem. A força sexual age no impulsionar, revigorar, proteção e amparo dos homens e mulheres de todas as idades, aflorando o conjunto de todas as virtudes. E é no cultuar em se   interessar pelo outro com afeição, carinho dedicação mútuos de corpo, alma e espírito com a doação, desapego, alegria, generosidade, incondicional 100% para o outro, numa vibração pura e harmoniosa na vida cotidiana, em praticar constantemente o bem e a bondade com pequenos gestos de ternura a outrem, santifica-se o dia a dia em júbilo e regozijo total com inúmeras e incomensuráveis riquezas diáfanas em sua vida. O presente é o futuro. E você é o que pensa no dia a dia.

MARCO ANTONIO AZKOUL

Delegado de Polícia Titular, Mestre e Doutor em Direito Constitucional pela PUC/SP, Pós-doutor em Direito Constitucional pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa – Portugal, título de distinção proferido pelo Pai da Constituição do Cravo, Catedrático e Presidente da Faculdade de Direito Lusitana, Professor Doutor Jorge Miranda. Escritor e Jornalista. Membro ativo do Conselho Editorial Letras Jurídicas e Letras do Pensamento. 

 

 

 

Artigos Anteriores

TEMPERANÇA, MANSIDÃO E IRA

TEMPERANÇA, MANSIDÃO E IRA   A Virtude da Mansidão faz parte da Virtude Cardeal da Temperança, que tem por objetivo...

Livros do autor